quinta-feira, 20 de abril de 2017

20 anos de silêncio

Eu não era o único nesse mundo
E apesar dos pesares, não me sentia inseguro
Naquele momento era somente eu, deitado no banco duro
Esperando o amanhecer futuro

E eu sei que aqueles garotos também não serão os últimos
Apesar de sabermos, nos surpreendemos com tanta desgraça nesse mundo
Eu não tive tempo de entender o porquê daquilo tudo
Mas acredito que eu nunca entenderia esses absurdos

Eu havia ido ali pra revindicar direitos
Era uma noite tranquila, na suspeito
Cinco eram o número dos que disseram que queriam me dar um susto
A noite era fria, mas meu fim foi quente, rumo ao sepulcro

Eu não sou um ser de banda de música, um João fictício
Eu era um índio, Jesus dos Santos, Galdino
Eu fui queimado, por delinquentes, vivo
No centro de Brasília, Praça do Compromisso



Em 20 de Abril de 1997, Galdino Jesus dos Santos foi morto queimado, por cinco jovens brasilienses, em um ponto de ônibus próximo a Esplanada dos Ministério. Veja o desfecho aqui.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Ol(fato)

Eu usei muitas mentiras pra conseguir prazeres baratos
Omiti muitas verdade pra obter afetos caros
Falei em hora imprópria, 
Calei por ser fraco

A maioria das palavras proferidas foram definitivas
Mas nem sempre a palavra lançada é sem volta
Em algumas foram revertidas
Eu consegui, pouquíssimas

Não vou reclamar de nenhum sentido
Minha língua me trouxe muito mais benefícios
Os descréditos são poucos,
E os sentidos sempre jogam a culpa um no outro

Eu falei por que eu vi
Toquei pois era bonito
O beijo foi por conta do cheiro 
Vi porque havia ouvido

Só a língua inicia o diálogo
Embora a troca de olhares pode ir contra essa tese
Embora o cheiro possa ser sentido antes de ser visto
Mas pode haver tato sem diálogo

Na soma final, ninguém quer ser culpado
Todo mundo, após a conta, sai agraciado
Se mentira, verdade ou silenciado...
Só a língua pode dar o veredito, fato

terça-feira, 4 de abril de 2017

Caminhos e batalhas

Não importa a estrada
Se escura ou clara
Ele me guia e me guarda
Por toda jornada

Todos serão vencíveis, quais forem os obstáculos
Mesmo que haja mil ou dez mil em contrário
Eu permanecerei de pé, inabalado
Tenho Cristo, em quem me comprazo

Eu vencerei a guerra
Mesmo que eu peca alguma batalha
Eu sempre me levantarei,
Mesmo que eu caia

Hoje mais forte que a noite passada
Com a fé intacta
Caminho com foco e na certeza...
Que Deus é meu camarada

sexta-feira, 31 de março de 2017

Zelo

Caminhava distraído e deixou cair a moeda enquanto tirava algo do bolso, e parou pra pegar...
Atrasando-se em três segundo pra deixar de ser o obstáculo que aquele veículo encontrou.

Ficou preso no congestionamento por vinte minutos,
E deixou de ser a vítima dos dois quilômetros seguintes.

Reclamou da queda de energia que afetou o bairro,
E nem notou que a família se agrupou na sala e houve uma graciosa reunião, como há tempos não havia.

Foi reprovado na entrevista de emprego que te sugaria por vários anos,
E partiu para os estudos onde foi proporcionado grandiosas oportunidades.

Chorou pela reprovação do exame, 
E no futuro conquistou algo bem maior e não soube notar que aquela derrota passada era um encaminhamento para algo melhor.

(...)

Não espere os céus se abrirem para ver que Deus zela por você. Ajoelhe e agradeça.

Olhai as aves dos céus: não semeiam, não colhem, não armazena em celeiros; contudo vosso Pai celestial as sustenta. Não tendes vós muito mais valor que as aves? Mt 6;26

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Percurso

Ele deu a vida,
O tempo, o intelecto...
E disse: vai, conquista!
Ordenou pra ser honesto

Ele iluminou o caminho
Jamais me deixou sozinho
Não houve nenhum ato de indiferença
Em cada momento, bom ou ruim, havia sua presença

Somos todos criaturas, mas poucos são os filhos
Eu demorei perceber a diferença
E nesse percurso, houveram vários empecilhos
Mas Ele dizia: a Minha graça te sustenta

Após uma derrota, podia até demorar,
Mas posteriormente eu entendia...
Aquilo era pra melhorar
Fazer grande não só a corrida, mas o conquistar

Hoje eu olho por cima do ombro e agradeço...
Agradeço a cada desejo negado,
A cada preço pagado, por cada centavo
Foi medido, pesado, caro...

Deus, meu Pai, obrigado!

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Presente

A segurança em saber
Que mesmo quando estou sem você
Você está aqui, em minha mente
Sou seguro, consciente

A tranquilidade ao andar
E mesmo sem ladeado de você, eu estar
Eu sei que sua mão é minha
Sou calmo, pois és minha companhia

O otimismo é explícito
Pode ver que eu vivo sorrindo
É reflexo do seu, o meu, sorriso
Sou feliz contigo

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Descanso

Amanhaceu, levanta
A mente já despertou, e é ela que manda
A vida vem, sã
Mantenha até amanhã
Ela vem toda manhã
Sem espera, com pressa

Ela vem, com os dois pés no seu peito
Te obrigando a fazer direito
E que em caso de falha, vão te cobrar
Em caso de conquista, logo passará
A vida passa rápido
Ela é implacável

Toda vida a gente vive tentando viver
Da forma mais decente, pra morrer
E toda vida vem com uma morte de surpresa
E o paradoxo da alegria dar motivo pra tristeza
Ou vice-versa
O final não interessa

Quando você menos espera,
A vida te dá uma trégua...

quinta-feira, 2 de junho de 2016

A queda

Eu vou tentar parar
Aliás, eu vou conseguir
Eu sempre digo isso, assim
E faço com convicção
Em vão...

Sempre tenho a mesma queda
A força, o querer, e o que mais que resta...
Não interessa
O lamento também é repetido,
Após a entrega

Mas dessa vez vai ser diferente
Eu vou conseguir,
Eu sou persistente
Da minha força e fé,
Crente

Passam as horas
E o domínio é completo
Eu estava muito inquieto
Não que eu seja, com minhas metas, desonesto
Sério

Eu vou tentar parar
Aliás, eu vou conseguir
Eu sempre digo isso, assim
É sempre repetido, parece desperdício
Vício

terça-feira, 24 de maio de 2016

Reticências

Um dia a mais,
Um dia a menos
Questão de perpectiva
Um dia que não nos veremos

Seria muito, uma vez que esperamos tanto
Mas não se preocupe, pois continuo o mesmo, te amando
Pense no plural, nos dias demais
Pense em anos, aliás

Até daqui a pouco
Um dia é muito suponho
Mas se comparando aos dias,
Fico risonho

Nossos dias não tem ponto final...

domingo, 8 de maio de 2016

Repetido

Não é que enjoa,
Mas a foto não muda
Não é que eu tenha esquecido,
Mas não é tão legal um vídeo repetido
Eu queria você aqui, ao vivo
Nem que fosse por segundos, comigo

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Ao som do motor

Eu fiquei lá, estático
Sem saber se era certo ou errado
Ao fracasso,
Fadado

As horas passaram
Mas a dúvida em minha mente aumentava
Dava pra ver, incomodava
Em mim, latejava

Por mais que, por segundos, eu achava egoísmo
Só percebia que era ignorado
Sem me importar para os pecados
Só lembrando do horário

Eu até tentei chamar a atenção, em vão
Me mantive clamo, coisa de fraco
Após assuntos encerrados, fomos embora
E toda aquela atenção que eu queria, não era mais querida, no carro

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Línguas

Era saudade, ânsia, vontade
Constantemente, essa trindade
A gente tentava se expressar,
Mas nem sempre havia entendimento
Nem sempre tem sentido
Quando falamos de sentimento

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Ambivalente

Ida e volta
Começo e recomeço
Erro ou acerto
Coragem ou medo

Plano ou devaneio
Aberto ou segredo
Honesto ou trapaceiro
Atento ou bocejo

Ferido ou ileso
Feito ou defeito
Insaciáveis desejos
Eu, por mim mesmo

Cinzeiro

Pra tentar amenizar a dor, ela fumava
Ela se soltava, fumaça
Começou com um picado,
E passou pra um bocado

A dor não passava
Só a fumaça
Aliás, ela aumentava
Tanto a dor, quanto as tragadas

Seu sorriso branco sumiu
Um amarelo tímido surgiu
Sua voz carregada tropeçava em pigarros,
E sua pele também sentiu

Viveu de mal a pior, com a dor aguçada,
Batendo as cinzas, isolada ela fumaça
Até que seu coração parar de bater
E isolar-se totalmente pra cinzas se tornar